Sabe por quê somos mimados? Achamos que o mundo vai acabar se não comprarmos aquele produto que amamos, que não podemos viver sem comprar determinado item. Que “precisamos” daquilo. Nem sempre precisamos e o mundo também não vai acabar se não comprarmos.

Já parou para pensar que quando você faz uma compra, paga e tira da loja, você passa a ser o responsável pela vida daquele item até o seu eventual descarte?

Na Inspira somos super adeptas ao desapego. A primeira etapa da nossa consultoria envolve uma revitalização completa do armário e, na maioria das vezes, o desapego vai embora em três ou quatro sacolas grandes. Ao fazer o descarte do que não funciona mais, mostramos às nossas clientes o quanto é importante abrir espaço para o novo e o quanto é essencial pensar no armário de forma mais planejada antes de acumular coisas.

Aí você pensa: “ah, mas vou doar para uma instituição.” Com certeza aquela sua blusa com brilho que você comprou pois queria usar com aquela saia longa também com brilho – mas que nunca conseguiu usar pois brilho não faz seu estilo – vai ser super útil para a instituição.

Não é muito melhor pensarmos no antes, e nos planejarmos para “a compra” do que ficar com muitas coisas que não serão úteis e apenas ocuparão espaço? Ok, eu sei que a gente comete erros, e que chega um determinado momento que as coisas ficam velhas de uso. Certo! Isso vai acontecer sempre e aí você poderá ver uma forma de doação útil para aquele item, o problema é fazermos isso em excesso!

O que compramos precisa ter uma função: embelezar, decorar, alegrar, mas ficar parado, não faz bem para ninguém. Talvez apenas para os ácaros e fungos.

O mundo não vai acabar se você não comprar aquela bolsa, e você não ficará mais bonita se comprar aquela sandália. O mundo vai é te agradecer com um consumo mais racional e sem muitos descartes.

Um abraço,

Natália Cosate